23/08/2012

Espiritualidade melhora saúde independentemente da religião


Tratamentos espiritualizados
Apesar das diferenças nas crenças e nos rituais entre as diversas religiões, a espiritualidade sempre melhora as condições de saúde das pessoas.
A conclusão é de um estudo realizado por cientistas da Universidade de Missouri (EUA).
Segundo eles, os profissionais de saúde devem aproveitar essa correlação entre a saúde - especialmente a saúde mental - e a espiritualidade, para desenvolver tratamentos e programas de reabilitação de acordo com as inclinações espirituais de cada paciente.
Perdão
O estudo envolveu a análise da correlação entre saúde mental e física, fatores de personalidade e espiritualidade entre budistas, muçulmanos, judeus, católicos e protestantes.
Em todas as cinco religiões, um maior grau de espiritualidade mostrou-se estreitamente correlacionado com uma melhor saúde mental, níveis mais baixos de neuroticismo e maior extroversão.
perdão, ou a capacidade de perdoar, foi a única característica espiritual que conseguiu prever o estado de saúde mental dos voluntários, depois que todas as variáveis de personalidade foram consideradas.
Estilo espiritualizado
"Os resultados do nosso estudo suportam a ideia de que a espiritualidade funciona como uma característica da personalidade," explica o Dr. Dan Cohen, coordenador do estudo.
Isso porque os benefícios que a espiritualidade traz à saúde não apresentam correlação com o número de vezes que a pessoa vai ao templo ou participa de reuniões formais da sua religião.
Cohen acredita que a espiritualidade pode ajudar a melhorar a saúde mental das pessoas reduzindo o seu egocentrismo e desenvolvendo um sentimento de pertencimento a um todo maior.
Tradições religiosas muito diferentes incentivam a Espiritualidade, ainda que usem nomes diferentes para o processo.
Um monge cristão não vai dizer que atingiu o Nirvana, e nem um monge budista vai dizer que alcançou a comunhão com Jesus Cristo, mas ambos estão se referindo a fenômenos similares, conclui o pesquisador.

28/06/2012

Preconceito Mata

Hoje fiz algumas colagens nos meus intervalos da tarde. Foi a forma de expressar minha indignação com mais um assassinato homofóbico.
Dois irmãos foram confundidos com um casal gay na Bahia e por isto foram agredidos e um deles assassinado. http://t.co/ukCQ72ll

É chocante não apenas saber que existem pessoas que são intolerantes a diversidade afetiva a ponto de matar, mas também perceber que estamos chegando ao ponto de não podermos mais expressar nossos sentimentos em sociedade. Se temos filhos dos mesmo sexo, devemos orientá-los a distanciarem-se nas ruas. Se temos uma filha, não podemos abraçá-la, nem beijá-la publicamente se ela já for jovem, adolescente. Podemos ser confundidas com um casal de lésbicas e sermos agredidas!


Mas, se não somos nós com nossos filhos que estamos em risco, são nossas próprias crianças! Você que está grávida, tem a certeza de que seu bebê não será homossexual? Você que é pai, mãe e tem crianças ou adolescentes em casa. Não há como garantir que seu filho não será a próxima vítima da homofobia, do preconceito descontrolado! Qualquer criança pode ser homossexual! Vamos nós mesmos rejeitá-las? Deixá-las de amar? Encaminhá-las para pseudo-tratamentos? Ou ficaremos em casa, torcendo ou rezando para que, depois de crescidos, nossos filhos voltem com vida das ruas?


  A violência contra homossexuais é uma violência contra cada um de nós. Homossexuais são os nossos filhos, nossos irmãos, nossos primos, tios, pais. Eles estão e são a nossa família e devemos ao menos manifestar nossa indignação com esta violência absurda! Somos todos iguais, porque todos somos diferentes e imperfeitos. Alguém já disse que a beleza está nas diferenças e eu concordo.

Já é hora dos homofóbicos se auto-analisarem. De onde vem tanto incômodo? De onde vem tanta raiva? Em que lhes afeta saber que dois homens fazem sexo anal? Vocês próprios devem gostar de sexo anal! Por que lhes perturba a ideia de duas mulheres que fazem sexo oral? Vocês certamente fazem e recebem!

Não aceitem o "tenho raiva porque não é normal homem com homem, mulher com mulher" como resposta! Garanto que esta não é a razão. Afinal de contas, o que é normal de fato? Quem estabeleceu? A Bíblia também não serve como resposta. A Bíblia foi feita por homens e com pouquíssimas palavras pra usar de recurso.

Você é capaz de renegar seu filho, seu pai, seu irmão por ser homossexual? Você sente vontade de sair e espancar todos os gays que você vê pela frente? Tem desejo de estuprar lésbicas, "só pra elas aprenderem"? Seja qual for sua razão, você precisa de tratamento! Seu caso tem cura, basta que você se submeta a psicoterapia. Não transfira um problema que é seu para outros grupos. Compreenda, você está fazendo mal para a sociedade. Então o que tenho a pedir é que, ainda que em segredo, busque auxílio profissional. Você não será discriminado por isto.

Abaixo, mais algumas montagens que fiz.


04/06/2012

Brinquedos Infantis e Sexualidade

Aconteceu uma situação super engraçada na minha família e me fez escrever este post. Meu irmão tem dois filhos homens. Neste último domingo, saiu pra passear com o mais novo e parou pra abastecer o carro. Nos postos sempre tem aquelas lojas de conveniência e ele entrou pra comprar alguma coisa. Foi aí que começou o "problema". Meu sobrinho avistou na prateleira de brinquedos um joguinho de panelas. E da cor rosa! Não ouve acordo. Ele cismou, queria porque queria aquelas panelas. Meu irmão tentou oferecer outros brinquedos "de homem" mais foi pior. Ele começou a chorar! Queria a caixa com o conjunto rosa de panelinhas!

Com o choro,meu irmão cedeu. Talvez pra chamar menos atenção pra situação "vexatória" e com muito mau gosto se dirigiu ao caixa, que era homem e lhe perguntou sorrindo: "Foi ele quem escolheu?!" 

Nossa! Que sufoco! Dali foi correr pra casa de minha mãe e lá estavam outras pessoas da família (domingo as pessoas se reúnem). Meu irmão é engenheiro e faixa preta de jiu-jitsu. Não que isto signifique alguma obrigação quanto ao seu comportamento sexual, mas diz um pouco quanto as suas escolhas e preferências no dia a dia. Foi um alívio quando finalmente ele entrou no apartamento - fora do alcance das vistas estranhas -  e logo foi iniciado o desabafo. Depois que todos ouviram e olharam pro estranho brinquedo, cada um começou a dar uma justificativa pra o fato.

Deve ser porque ele mora só com mulheres, dizia minha mãe. (o menino mora com a mãe e a avó materna). Meu sobrinho um dia também quis brincar com um pônei rosa do Mac Donalds disse minha cunhada. Eu mesma quis tranquilizar a todos e falei: Ele pode vir a ser um chef de cozinha!

"Escute. Menino brinca pião, de bola, de carro. Você vai querer brinquedo de moça?!" Sim, o pai estava contrariado. Mas a situação era toda muito engraçada. Aquele suspense disfarçado no ar.


Todos estes movimentos na TV, nas revistas, passeatas pregando a igualdade e coibindo a discriminação, mas no fundo, quem está preparado para dar ao seu filho uma boneca, uma tábua de passar, um jogo de cozinha?!

Não sei se esta pesquisa foi feita, mas parece que na prática ainda ronda o medo de que o filho homem não seja hétero. E este medo aparece nas práticas diárias, no ensino de que menino gosta de menina, brinca de bola, etc.

Na sala de meu filho, percebo crianças de 4 anos usando termos claramente aprendido com adultos ( o pai provavelmente) como "pegar uma gostosa", "ficar com as gatinhas"...O pai busca inicializar o filho desde cedo na masculinidade para que não haja risco de uma possível afeminação do mesmo. 
E isto tem um pouco a ver com meu post anterior. Tem a ver com a idealização dos filhos. Num mundo onde as orientações sexuais estão cada vez mais sendo assumidas, onde ser homofóbico é crime, onde o casamento gay é legalizado, onde nada disto tem volta, só nos resta agora vigiar. Tomar conta. Cuidar para que este "mal" não caia em nossas famílias.

Porque se cair, estará legalizado e os errados seremos nós, os preconceituosos.    

Luciana
Ainda conto com os comentários de vocês!

28/05/2012

STOP - Abuso Emocional



Que estamos vivendo um momento de grande conquistas no sentido de libertação feminina é fato. E isto sai estampado nas capas de revistas. Mulheres que assumem uma produção (filho) independente, chefes de  grandes empresas, taxistas e que reivindicam com marchas públicas o direito de não serem julgadas por seu comportamento sexual ou suas vestimentas.

No entanto, poderia chamar estas mulheres de a nata da parte feminina da população. Todos os dias escuto histórias de pacientes homens e mulheres que me mostram que está longe de se alcançar a libertação feminina.
Inocentes que ainda são, existe um grupo de mulheres que parecem as representantes da Chapeuzinho Vermelho caminhando dia a dia para as garras do lobo mau. Então vou dar aqui algumas sugestões, que soarão redundantes para as feministas, mas que causam espanto para este grupo. Serão poucas e se basearão em histórias reais.

1. Se você nunca fez questão de casar na igreja, mas isto é uma exigência da sua família e do seu noivo, perceba o que talvez esta cerimônia represente para eles. Você será literalmente passada das mãos de seu pai para as mãos de seu marido (simbolicamente um "pai" substituto).

Isto é só parte de um ritual? Pode ser, mas inconscientemente o homem sente uma espécie de 'tomar pose" neste repasse e com base neste pensamento você continuará sob a supervisão de um homem e isto diminuirá a sua autonomia, sua liberdade. Você quer casar, case.Mas deixe claro que estará entrando com suas próprias pernas.

2. Você tem um pai, namora, está noiva ou casada. Não importa. Você sente uma vontade (muitas vezes nem expressa) de por exemplo, fazer uma tatuagem. Você é maior, trabalha, não há razão para que espere a aprovação, nem o contentamento de nenhum destes homens para fazer esta tatuagem! Não diga que "gostaria tanto de fazer..", "que acha tão bonito...". Faça. Eles verão depois e não precisão ficar felizes. O corpo é seu!

3. Seu namorado, noivo não gosta de sair com amigos. Você sofre porque depois que começou o namoro só sai a dois. Reserve um horário pra sair em grupo. Não deixe seus amigos e se isole num apartamento vendo DVD e comendo pipoca com ele no sofá, quando gostaria de estar dando risada e conversando num barzinho. Não fique com vergonha de "chegar sozinha, sem ele". Aproveite pra pensar se quer manter esta relação, já que provavelmente será assim sempre. Ele não passará a te acompanhar depois que estiverem morando na mesma casa.

4. Você começou a namorar um rapaz e descobriu que ele é casado. Deixe que entre num ouvido e saia pelo outro quando ele lhe contar "o quanto está insatisfeito com a mulher, o quanto ela é chata, a quanto eles não transam e que só não a deixa por conta dos filhos". Balela. Não caia na cilada de lhe dar o filho "que ele tanto gostaria de ter com você", a não ser que queira criá-lo sozinha. Isto inclui Natal sem o pai, festinhas de aniversário sem o pai, parto sem o pai,etc. Ele não largará a família. Dê um ultimato. Se ele te ama tanto, que termine com a esposa "chata". Você não vai aceitar viver clandestinamente o resto da vida. Você merece mais!

5. Conheço de filmes a imagem da mesa bem posta, com toalha branca e bem passada e esposa arrumada aguardando o marido chegar do trabalho para jantar com a comida quentinha no forno. Você pode e deve fazer isto, mas quando tiver vontade. Não é sua obrigação. Não aceite se ele ficar bravo e alterar a voz porque você não o esperou com a mesa posta e a comida quentinha. Não faça o prato dele. Só se você quiser, quando achar que deve! Não sinta-se péssima se ele lhe disser o quanto você é uma esposa ruim e ingrata.

6. Não é porque seu marido trabalhou o dia inteiro que você deve estar pronta pra transar com ele a noite, sempre que ele a procurar para isto. Se ele mantem a casa, você faz outras tarefas, tão ou mais estressantes e entendiantes quanto a dele, aí dentro mesmo, enquanto ele está fora. é normal que às vezes sinta-se cansada e sem muita libido.Então diga "não".

7. Poderia ficar aqui escrevendo infinitamente, mas finalizo dizendo que ele não precisa participar da escolha de suas roupas, nem dos seus sapatos, sem da sua maquiagem, de nada relativo a isto. Você tem individualidade, tem seu próprio gosto e certamente tem suas preferências. Veja como você se sente bonita, como você gosta de se vestir e vista-se. Depile-se do jeito e no formato que LHE agradar. Se um dia quiser agradá-lo,tudo bem. Mas não se obrigue.

É isto. Os homens existem, gostamos deles, mas eles precisam de limites.

Beijos e participem com seus pontos de vista!Se gostarem compartilhem. 
Thanks!
Luciana      

   

  

16/05/2012

Filhos Ideais

A quantidade de mulheres que se tornam mães por desejo próprio, por planejamento, que abdicam de horas e horas não só de trabalho, mas também do seu dia a dia, seja com as amigas, com o parceiro, com os cuidados com elas próprias não pode ser chamada de pequena.

Uma varrida na internet e uma chuva de blogs, como o Mamíferas, não me deixam mentir. Tenho a impressão que estas mães vocacionadas e instintuais são menos propensas a idealizarem seus filhos e a projetar neles seus desejos não realizados. Porque elas os amam antes mesmo de concebê-los e se mostram desde o principio "disponíveis" para o papel.

 Mas o oposto também é possível. A vontade enorme de gerar uma criança pode advir de uma carência não suprida, de uma carreira profissional frustrada, da tentativa de "salvar um casamento", enfim.. este grupo de mulheres já iniciam a gestação com segundas intenções.

Não vou discutir quem tem mais ou menos direito de criar expectativas sobre um filho, mas na minha opinião, se você faz parte do grupo que é dotado do instinto materno, que tem disponibilidade para ficar em casa e cuidar dos filhos (sim, eles precisam muito de amor e segurança, o chamado apego seguro e se você pode ofertar, parabéns), que planejou e curtiu cada semana da gestação, com direito a book com a barriga, sapatinhos e o pai da criança além do quartinho caprichosamente decorado com nada descombinando, então seu amor deve ser daqueles incondicionais mesmo. E quando se ama, se aceita. Você preparou-se para gerar uma vida, planejou a data, planejou a decoração do quarto e pode até ter torcido pra que fosse menino ou menina, embora aceitasse qualquer um dos dois. Tem gente que já consegue manipular e escolher o sexo, embora não haja ainda como escolher o gênero. Nem tudo é perfeito!

Tudo bem. Você fez tudo isto, foi uma longa jornada, noites sem encontrar posição que servisse pra dormir por conta do tamanho da barriga, enjoos, gastos, idas mensais ao ginecologista/obstetra, dor do parto, pós-parto, noites insones com o recém nascido, cuidados com alergias, com alimentação, idas mensais ao pediatra, banhos mornos pra espantar as cólicas, bico do peito rachado, bebê mamando ainda assim e o que você pode planejar em retorno? Nada!  

Isto. Não planeje futuro dele, sua carreira, seu comportamento (vai ser falante como o pai, vai ser estudioso como a tia, vai ser talentosa como a mãe, vai fazer o doutorado que eu não consegui fazer, vai ser bailarina ou ainda, vai me dar muitos netos - eu sempre quis ter uma família grande! - vai namorar só meninas de família, vai namorar caras de futuro, vai ser torcedor do Coríntias e fazer companhia pro pai!), será minha grade companhia quando crescer! Você está gerando uma vida mas não pode programá-la.

O que você obviamente pode esperar e se dedicar para que isto aconteça? Você pode esperar que a educação que você deu surta efeito,que seus bons exemplos tenham servido como aprendizado, que sua moralidade e seu respeito ao próximo possam ter sido enxergados e apreendidos. Você pode desejar e esperar tornar seu bebê em um adulto de bem.

Sua vocação profissional não esta em suas mãos, seu talento para o esporte, música, dança não depende do seu desejo, sua vida amorosa, seu estado civil também não, sua sexualidade (se será hétero ou homossexual ou trans, etc) muito menos. Saiba você teve um menino ou uma menina, uma pessoa com órgão sexual masculino ou feminino e para nisto. Não conclua que terá por isto, nora e genro respectivamente.Nem netos!

                      É difícil pra muitos pais contarem com esta possibilidade mas ela existe!

Evite passar para seus filhos(as) as expectativas que você faz a respeito deles(as). A criança precisa de você, de seu amor, de segurança e fará de tudo para agradá-la. Até mesmo abrir mão da sua verdadeira identidade tornando-se altamente infeliz por isto. Não espere nem mesmo que seus filhos te amem na intensidade que você os amou, nem que abdiquem de suas vidas porque você soube abdicar da sua. Não dê amor pra ser amada. Ame-se e aproveite enquanto está viva para se auto-realizar. Só você pode fazer isto por você.

Abraços, Luciana 

                        

                    

08/05/2012

Mulheres, maridos, filhos, individualidade, etc

A vida de nenhuma mulher é fácil. Mas, existem pequenas diferenças entre uma mulher solteira e uma mulher casada e com filho. Se for mais de um filho esta diferença se amplia. Se forem de sexos diferentes se amplia ainda mais. 
Esta mulher precisara de algumas aptidões: 






1. Entender de pelo menos administração de uma casa. Isto trás algumas outras aptidões embutidas (saber recrutar e selecionar funcionarias p trabalhar em sua casa - se vc nao pretende abrir mão de trabalhar fora - saber delegar atividades p esta funcionaria e checar sua execução,lembrar do dia do pagamento de salario e dos vales-trasnportes. Saber que a semana tem 7 dias e isto significa que vc precisara ter para sua família 7 cafés da manha, 7 almoços, 7 jantares. Estas refeiçoes se tornaram insuportáveis se vc tentar repeti-las tdos os dias, portanto vc deve variar o cardápio (se sua funcionaria nao for boa de cozinha VC tera q supervisionar a execucao de pelo menos o almoço) Para variar o cardapio tenha em mente tudo que vc, seu marido e seus filhos comerão  nestas 21 refeiçoes semanais. Ter todos os ingredientes comprados evitara mais de uma ida sua supermercado. Lembre-se dos itens que se estragam rapidamente, como presunto, algumas frutas. Estes vc deve repor durante a semana.Como seus filhos provavelmente terão idades diferentes, vc devera saber que a alimentação de um pode exigir uma supervisão maior que a do outro, afinal ele estará em fase de crescimento. Provável que vc tenha que administrar algum suplemento alimentar se ele nao for bom de garfo e tambem algumas vitaminas (nutricionista e pediatra) Quanto aos lanches - sim, eles precisam lanchar em casa e na escola- vc deve saber o que comprara para a semana e o que sera comprado para enviar ao colégio. Alias, leia diariamente a agenda do seu filho - se ele for pequeno - nao eh incomum pedidos de macarrões para sopas, frutas, estas coisas extras sempre ligadas a "semana da alimentação saudável". Consiga descobrir qual o supermercado estara com filas menores e em quais horarios. Faca a feira, descarregue, arrume, se quiser controle - as vezes a falta de supervisão faz c que funcionarias gastem o dobro.


2. Pra nao deixar o item 1 mto longo direi aqui que uma casa precisa de roupa de banho e de cama. E elas se gastam com o tempo. Acompanhe as suas toalhas, a de seu marido e a de seus filhos, elas precisarão ser renovadas de tempo em tempos. Esta regra vale para lençóis, fronhas e cobertores. Se algum de seus filhos for alérgico lembre-se de checar a limpeza das hélices dos ventiladores e a manutenção dos ar-condicionados. Colchoes e travesseiros também precisam de Sol para nao juntar ácaros. Se vc esquecer desta pequena tarefa, poderá ter que enfrentar um filho doente em casa e isto pode variar a uma simples alergia a uma bronquite ou pneumonia e sua chance de divertir-se no final de semana poderá ser anulada. Muito conveniente ter um aparelho de aerosol neste caso. Se seu filho(a) faz algum esporte e ainda tem pouca idade, vc deve lembrar que nestes dias ele devera levar para escola um uniforme extra, alem de shampoo e condicionador, etc. Panos de chao, panos de prato, flanelas existem e ficam velhas. Preste atenção pois vc deve saber quando elas deverão ser trocadas. Vassouras e rodos  - idem.


3. Nao importa a idade que seu filho tenha. Vc devera estar inteirado da sua situação escolar. Se for pequeno, trara deveres de casa diariamente e vc terá que ensina-los. Normalmente ele(a) pedira para brincar ou ver TV nesta hora e vc tera que convence-lo (a). Ah, a sala de aula do seu filho tem em torno de uns 20 alunos? Eles farao festinhas de aniversario na escola. Seu filho nao pode ser o único a ir sem presente, entao..leia a agenda, ela pode conter um convite. Decore a data e compre este presente. Se tiver um filho maior, as festinhas ja nao serao na escola, logo vc devera comprar presentes p varias faixas etarias ao longo da criação de seus filhos e quando as festinhas nao forem mais no colegio, no dia da festa - QUE VC DEVERA ESTAR LEMBRADA- vc deve ter



 em mente o que ele(a) ira vestir, calcar e se for menina ajudar c cabelo e pequenas maquiagens (cuidado! eu já me queimei tentando fazer cachos com babyliss no cabelo de minha filha). Isto mesmo! VC deve saber sobre roupas e acessorios para meninos(as) e depois para adolescentes (personal stylist). Se no dia da festa vc por acaso tiver com outras coisas na cabeça recebera um aviso : compre o presente d fulano(a). Corre o risco de vc tambem esquecer que a festa sera a carater e decepcionar o seu/sua filho(a) que lhe dira: mais eu nao te avisei ha 20 dias que ia precisar desta roupa social??? =/



4. Torca com fe p que sua funcionaria consiga decorar onde guarda a roupa passada de cada pessoa da família, ou vc entrara nesta tambem como ajudante.


5. Torca pra que ela dure mais que 3, 6 meses, ou vc tera que recrutar, selecionar, entrevistar, fazer experiencia, ensinar serviço da casa, observar sua personalidade, tudo de novo. 

6. Surgiu uma viagem? Todos podem ja estar com a imagem da estrada na cabeça, mas p isso antes vc tera que saber tuuuudo o que vc, seus filhos e as vezes ate seu marido irao precisar levar na mala.E o que vao comer e beber na estrada. E se precisarao de algum lanche por la. Lembre-se de levar uma pequena farmácia (remédios de urgência). 

7. Surgiu uma viagem e seus filhos desta vez nao irao? Todos pensam: ahh, lua de mel!!! Ok, mas antes sera preciso pensar com quem eles irão ficar. Com sua funcionaria, com sua mae, com sua sogra, com sua avo??? Quem quer ficar com eles? Quem cuidara melhor deles? Sera bom que vc nao os encontres magrelos e mal vestidos na volta. Deixe organizado o que eles irao comer e calcule quanto eles irao gastar neste periodo para deixar o $. Vc tera que ligar de la para saber se esta tudo bem e nao preciso dizer q isto tira um pouco do pretendido relaxamento e descanso mental na viagem.Torca p q corra tdo bem.

8. Antes de sair pro trabalho deixe resolvido oq vcs irao almoçar e no turno da tarde o que vcs irao jantar. Ligue do trabalho pois a baba de seu filho pode nao dar o lanche que vc pediu e pode deixa-lo na TV ou no video-game a tarde inteira e criança precisa brincar tambem.




9. Vc casou, tem sua casa, seus filhos, mas NAO pode esquecer que tem familia de origem! Ja ligou p seus pais hj? Esta semana? Eles estao bem? Tire um dia da semana ou do FDS para visita-los. Se tiver sobrinhos recem-nascidos encontre tempo para comprar lembrancinhas e visita-los tbem. Vc nao vai ser desatenciosa vai?!



10. Vc chegou em casa, conseguiu ir trabalhar e esta satisfeita por ter conseguido exercer um pouco sua profissão.Mas, obviamente esta cansada. Um banho morno..uma musiquinha..um pé pro alto..era o q vc queria. Pode nao ser assim. Ao abrir a porta novidades lhe serão ditas (e vc qria ficar em silencio). Coisas do tipo : ele nao quis tomar banho, nao quis comer, nao tomou o leite, so quis refrigerante! Seu quarto (que vc pretendia relaxar nele) pode estar sendo usado, sua TV ligada ou por seu filho ou por seu marido, se ele ja estiver em casa. A programação pode variar de Cartton a MMA. Brinquedos podem estar pelo quarto, pela cama, assim tambem como a roupa que seu marido usou p trabalhar =/

11. Vc pode ate reclamar, mas nao se desespere se te chamarem de reclamona e mal humorada.

12. "Melhor chamar todos pra mesa", vc pensa: "eles jantam e logo vao dormir e finalmente posso assistir GNT, novela, fazer qualquer coisa q eu queira.."E ai vc come e fala ao mesmo tempo - se seu filho(a) ainda for pequeno(a) ele precisara q vc o incentive a comer enquanto vc come. Ele tentara levantar da cadeira sem esvaziar o prato e se vc deixar tera que preparar uma outra refeição pra ele mais tarde (naquela hora que , pela segunda vez vc planejou ficar so descansando). Entao, melhor que vc coma e peca p que ele coma tambem ao mesmo tempo. Nao estranhe se ficar com um "bolo" no estomago depois. 

13. Entenda de expressoes faciais. Vc precisara decifra-las quando seu filho(a) ou marido mudarem as deles. Elas podem expressar raiva, chateação, preocupação, tristeza...enfim. Va la e veja o que esta acontecendo. Eles esperam contar com sua ajuda.

14- Fim de semana. O que vcs farao? Vc gostaria de se divertir, de relaxar..cheque se seu desejo bate com o de seu marido. Seus filhos TAMBÉM precisam de lazer e precisam estar com os pais. Reserve tempo p ver filme com eles, p ir a praia,p ir a festinha d aniversario do coleguinha, para providenciar roupa e presente, enfim. Vc deve estar disponível em parte para sua família. 


15. Nao fique frustrada se não conseguiu passar do primeiro capitulo daquele MAIS UM LIVRO que vc comprou e estava louca pra ler.

16. Nao fique frustrada se precisar usar um atestado medico e faltar ao trabalho que vc tanto gosta de fazer porque hoje a funcionaria faltou e vc nao tem com quem deixar seu(sua) pequeno(a). Você deve ficar e brincar com ele(a) e ver desenhos achando graça nos personagens (isto faz bem pra criança) 




17. Normal se vc se perceber mais irritada, impaciente, pavio curto, mesmo que antes estas características não fizessem parte de seu temperamento. Sua libido tambem poderá diminuir. Normal. Pode ser que as vezes vc passe dias sem lembrar de sexo e seu único desejo seja fugir pra um apartamento só seu. E nesta hora, vc se sentira egoísta e desprovida de suficiente amor materno. Você deve ser uma pessoa altruísta, ou sera que vc não pensa nos outros?!  

18.  Nao sinta-se mal quando perceber que sua profissao mais parece "um bico" do que uma carreira a qual vc pode se dedicar. Vc devera estar pronta para exerce-la nas brechas que a administração da casa e da família derem.

19. Voce nao devera relaxar na alimentacao, ou dirao que vc virou uma baranga depois que teve filhos. Encontre tempo e forcas e VA a academia. E faca as unhas e cuide dos cabelos e mantenha em dia a depilação. Nao fique fora de moda, isso vai fazer você parecer mais velha.


20. Volte com tesao. Seu marido nao pode ficar muito tempo sem transar e transar com alguém que não participe não satisfaz. Você precisa participar! E inovar! E ser um pouco daquilo que a TV mostra sobre mulheres boas de cama. Por favor, nao decepcione.

21. Nao vou deixar de citar aqui que exite sempre a opção de vc, casada, com 1 ou mais filhos resolver tocar sua vida, sua carreira, coloca-los num turno integral escolar ou em uma creche, mas ai, saiba, sera vista como workaholic e sem coração! E isto não a salvara do gerenciamento domestico! Lembre-se: sua vida vem depois disto tudo!  

E você queria estar apaixonada e dedicada a carreira... Sorry!

|
|





Est texto foi escrito em um not desconfigurado, portanto sua ortografia esta assim.
Grata pela leitura e, queridas pacientes que se angustiam porque tem mais de 30 e ainda nao casaram e preocupam-se com a idade de ter filhos..reflitam. (Especialmente as que estao num pessimo relacionamento e nao rompem porq ja estao com mais de 30 e ja esta qse tudo comprado pro casório).


Abcos, Luciana 

10/04/2012

ESTUPRO - Além do abuso físico



Recebi autorização para contar a história de uma mulher de 49 anos, a quem chamarei Eme. É uma senhora que teve um único namorado com o qual se casou e teve filhos. Religiosa desde a adolescência, casou-se "virgem". Trabalhou e criou os filhos que hoje também já trabalham. Faz parte de uma família unida, embora não tenha tido uma boa vivência com sua mãe, enquanto morava na casa dos pais. A mãe a colocou desde os 12 anos para trabalhar em casas de famílias como doméstica, mas ela relata que sempre teve o propósito de "sair daquela vida, que a fazia sentir-se inferior". Finalmente casou-se com um homem trabalhador que a ajudou a viajar para Caruaru, financiando suas primeiras compras de roupas, das quais ela se tornou vendedora."Era o meu sonho", ela conta.

Cuidava da casa, dos filhos e todos os dias saía para vender. Viajava uma vez no mês para comprar mercadorias. Foi assim que criou, junto com o marido, os filhos, hoje adultos. Gosta de rezar, de comparecer aos cultos e tem orgulho de ser uma boa dona de casa e muito boa vendedora. "Vender me deixava muito feliz! Acordava às vezes as 4 da manhã para dar conta de tudo! Nunca quis ser sustentada por meu marido"

Então ela me relata, com muita dificuldade o dia em que sua vida mudou. 

"Eu acabava de chegar em casa e soltei as sacolas de mercadorias no chão, para buscar na bolsa as minhas chaves. Tinha saído cedo para cobrar a algumas clientes e pensava em preparar o almoço quando chegasse. Vi quando um rapaz passou de bicicleta, enquanto buscava as chaves na bolsa. Não sei porque,o achei estranho. Mas não dei importância. Quando finalmente peguei as chaves para abrir o portão, fui surpreendida por ele já ao meu lado, armado com uma faca que apontava pra minha cintura. Minha casa tem um "beco" lateral onde deixo minhas plantas e ele mandou que eu seguisse para lá. Foi tudo bem rápido e demorado. (Suspira e chora) Ele pediu o dinheiro da minha bolsa - talvez já viesse me seguindo - e eu dei a ele R$ 150,00. Ele ficou muito irritado e disse: Esta micharia não dá pra nada!!! Mas não perco minha viagem! Você me paga de outra forma! (chora mais profundamente). Ele tapou minha boca, me virou de costas e me usou. Eu me contraía e ele dizia : "colabore, relaxe, ou vou te deixar retalhada aqui mesmo. Será pior pra você!" E me usou e me usou! Eu não enxergava mais nada. Sentia a dor, mas o que era pior, me sentia invadida, sem forças. Eu nunca tinha feito sexo anal, nem com meu marido! (chorava muito)..Foi quando ele me virou de frente e quis me beijar (percebo que isto foi ainda pior para ela). Eu virei o rosto e ele me bateu no rosto com força. Várias vezes. Depois me usou de frente.Pegou minha identidade e disse: "Se você me denunciar, eu volto e te esfaqueio toda. Te dou pros cachorros!" Eu não suportei, senti minhas pernas faltarem e desmaiei. Não sei se ele pensou que eu tinha morrido, mas quando acordei ele não estava mais. Foi só meu corpo que se mecheu e  eu me arrastei e levantei. Mas minha alma ficou ali no chão, morta! Já faz um ano e 4 meses. Eu estou morta.(após se recompor, ela continua).

"Levantei, peguei minha bolsa e fui tomar banho.Fervi água e deixei o mais quente que eu suportava. Queria me limpar. Estava suja.Me esfreguei com bucha, a sujeira não saía de mim. Peguei uma garrafa de álcool e tomei banho com ela. Não adiantou. Meu vestido, que meu marido encontrou depois, estava sujo de sangue e eu pedi que tocasse fogo nele. Depois do banho, me deitei. Estava fraca demais, sentia dor na frente e atrás e tive febre alta. Foi assim que meus filhos me acharam. Tremendo, enrolada num cobertor com febre alta. Precisei contar a meu marido. Além das dores físicas que eu tava sentido, peguei muitos pontos quando fui levada ao hospital, sentia também a dor por dentro, de ter sido invadida e de não ter conseguido ser só de meu marido. Eu queria ser só dele, nos conhecemos desde quando eu tinha 18 anos. Sentia e sinto muita vergonha. Não sou mais a mesma. Nunca mais serei a mesma. Não consigo cozinhar, passei minhas mercadorias pra minha irmã, tomei prejuízo porque não fui mais cobrar a quem me devia.Não saio de casa. Neste 1 ano e 4 meses só consegui ter relações com meu marido duas vezes e passei muito mal. Sofro porque sei que ele é homem e tem as necessidades dele e eu não queria que ele estivesse passando por isto. Mas, graças a Deus ele não me força, me entende. Meus filhos me pedem: "mãe, queria tanto que a senhora voltasse a viver, a viajar pra comprar, sair pra fazer feira como antes" Mas eu não consigo. Tenho medo de tudo. À noite, até um gato que ande no telhado me assusta e tenho palpitação, sinto que estou sufocando, preciso tomar remédios. Tenho insônia. Durmo no meio do dia. Nem ao culto eu vou mais. Fiz seis meses de tratamento numa maternidade que atende vítimas de estupro. Eles me trataram de doenças sexualmente transmissíveis, fizeram teste de HIV e outras doenças, suturaram e passaram pomada cicatrizante pra meus ferimentos. Tive alta. Estou boa. Mas eu não vivo mais. A vida acabou pra mim."



Eme, sofre de Estresse Pós-Traumático, Depressão e Ansiedade. Ela não prestou queixa a polícia, embora lembre até hoje o rosto do indivíduo que a violentou. Teme ser assassinada. Teme por seu marido, por seus filhos. Seu temor não é sem fundamento. Boa parte dos homens que são presos, voltam quando libertos e cumprem sua promessa de assassinar suas mulheres ou vítimas. (veja exemplo no último induto de páscoa)

O que podemos fazer, quando não podemos confiar na justiça, quando não temos segurança para denunciar atos de extrema violência como este. Todos os dias mulheres são estupradas. Todos os dias mulheres são ameaçadas de morte. Todos os dias mulheres silenciam para poupar sua vida e a de seus familiares.    


Caso se interessem leiam mais aqui:



Luciana

Siga este blog por Email