15 de mar de 2016

Sobrevivência ao parto - um passo para um mundo melhor

Você já parou pra pensar de que maneira você enxerga as pessoas em geral? Elas normalmente lhe parecem agradáveis, simpáticas, confiáveis? Ou você costuma duvidar até das pessoas mais próximas, evita fazer amizades, manter relacionamentos estreitos por medo de ser magoado ou de sofrer uma decepção? Você em geral é agradável ou mantem- se na defensiva diante dos outros? 

A visão que temos do mundo influencia diretamente nosso comportamento pessoal e social. Mas nós não nascemos com uma visão pre-formada do mundo.
No começo, logo após o nascimento nossa visão restringe-se à pessoa que nos oferece os primeiros cuidados durante os primeiros meses de vida. Neste período inicial estamos numa situação de dependência completa e esta pessoa cuidadora será fundamental para nós, pois será ela que estará no papel de satisfazer nossas necessidades básicas. E eu espero aqui neste texto ressaltar o quanto a satisfação destas necessidades é importante e o quanto isto influenciará a formação do adulto e seus relacionamentos pessoais e sociais.

Estas necessidades básicas podem ser divididas em físicas e emocionais.

Necessidades físicas estão ligadas à sobrevivência do corpo. Precisamos de alguém que nos alimente, nos proteja do frio, do calor excessivo, que proteja nossa saúde por exemplo. Com isto poderemos avançar no tempo, num processo contínuo de crescimento e desenvolvimento corporal. 





Necessidades emocionais relacionam-se com a forma como este alimento e estes cuidados nos serão dados e isto proporcionará a nossa sobrevivência psicológica.  Receber o alimento evitará a morte do bebê , mas isto por si só não o nutrirá emocionalmente. Mais que uma amamentação, o bebê necessita que a pessoa cuidadora tenha uma disponibilidade de tempo, de cuidado e que o ato de alimentá-lo não seja mecânico, desprovido de afeto. O bebê precisa literalmente ser olhado, ele requer atenção.
O papel da amamentação é indiscutível , mas hoje sabemos inclusive que o mamar no peito não é o mais importante, mas sim a forma como o processo de amamentação ( que pode utilizar instrumentos) é feito, sendo preferível ser amamentado por um homem atencioso e disposto, a ser amamentado por uma mãe cansada, entediada e indisposta para a função. 
Necessidades emocionais então dizem respeito a forma como os cuidados para a sobrevivência física nos serão dados. Daí começarão nossas primeiras impressões
sobre o mundo ( como local seguro, satisfatório, ou ameaçador por exemplo) e será também desta primeira relação ( bebê - pessoa cuidadora) que começará a surgir uma base para a formação da nossa identidade.

A maneira como esta identidade irá sendo formada ao longo da infância, influenciará diretamente o comportamento adulto, a sua auto-estima, a forma como ele enxergará e se relacionará com as pessoas e como perceberá os fatos do dia a dia.

Sendo assim, ao olharmos um adulto e vermos o auto-valor, o auto-respeito, a auto-confiança que ele tem, podemos supor como foram as suas primeiras relações de cuidado. E isto já pode ser percebido mesmo na infância, entre os escolares. A forma como a criança vê os demais colegas, como se relaciona e trata amiguinhos ou como recebe aqueles que não fazem parte da turma, reflete em linhas gerais,a forma como ela foi tratada.

Vivemos num mundo de relações. Somos seres sociais e nascemos completamente dependentes. As primeiras relações de dependência são importantíssimas tanto para a sobrevivência do corpo, pela satisfação das necessidades físicas, quanto para a sobrevivência emocional, que permitirá a formação e nascimento de seres otimistas, amorosos, empáticos, pessoal e socialmente construtivos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga este blog por Email